Jovem Interativo

JOVEM INTERATIVO – Rompendo Limites pela Fé!

Partidos de esquerda não tem espaço na cidade mais evangélica do Brasil; Já a cerveja

Partidos de esquerda não tem espaço na cidade mais evangélica do Brasil; Já a cerveja
novembro 03
21:33 2017

O município gaúcho de Arroio do Padre é, apesar do nome, a cidade mais evangélica do Brasil, com 85,8% dos habitantes seguindo a tradição protestante do cristianismo. E numa cidade em que a visão de Martinho Lutero influencia diretamente nas tradições, os partidos de esquerda não se criam.

O Brasil tem 5.570 municípios, e como trata-se de um país de maioria católica, são poucos os casos de cidades em que o catolicismo é minoria. Em Arroio do Padre, somente 7,7% dos habitantes seguem a Igreja romana, e nem sacerdote próprio a paróquia local tem. Dentre os 2.900 habitantes, somente 1% são espíritas ou Testemunhas de Jeová, e outros 4,7% sem religião.

O jornal Folha de S. Paulo produziu uma reportagem sobre a cidade e destacou que o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou, naquele ano, 22,2% de evangélicos na população brasileira, somando 42 milhões de pessoas. Em 2017, o Datafolha projeta que esse contingente seja de 32%, um crescimento próximo dos 10%.

Tradição

Embora Arroio do Padre seja a cidade mais evangélica do Brasil, os fiéis da tradição protestante estão distantes do neopentecostalismo da Igreja Universal do Reino de Deus e suas dissidências, como a Mundial do Poder de Deus, liderada por Valdemiro Santiago, e Plenitude do Trono de Deus, de Agenor Duque.

Localizada a 200 quilômetros de Porto Alegre, a cidade é reduto de imigrantes alemães no século 19, seguidores da tradição luterana, com influência direta da Reforma Protestante.

O pastor Michael Kuff, que lidera uma das congregações da cidade, tem 32 anos, também foge do estereótipo dos pastores evangélicos: é fã da banda Oficina G3, a quem reputa como um “exemplo de grupo que conseguiu aliar o propósito de divulgar o Evangelho por meio da música pesada”.

A reprovação de Lutero à venda de indulgências pela Igreja Católica há 500 anos é a mesma que Kuff nutre pelas denominações neoentecostais que usam a fé como “moeda de troca” para incentivar os fiéis a “exigirem” bençãos divinas.

Para o pastor, as distorções terminam por difamar os evangélicos: “Hoje é um problema falar no banco que você é pastor. O gerente acha que você é ladrão”, lamenta. No templo de sua congregação, que reúne 200 membros, uma placa lembra o movimento que deu origem à tradição protestante: “Igreja sempre em reforma: agora são outros 500”.

Outro pastor luterano da cidade, Aroldo Agner, 46, prefere destacar o ponto comum entre os diferentes segmentos evangélicos: a noção de família como “pai, mãe e filhos”. e diz que na cidade, é pouco provável que existam “casais alternativos”: “Se há [gays], não tenho conhecimento. Talvez em Pelotas tenha”, diz o pastor, referindo-se à cidade mais famosa da região.

A reportagem do jornal paulista destaca que não há muitos simpatizantes do PT em Arroio do Padre: na eleição de 2006, a cidade deu a Lula sua menor votação proporcional no país, com 11,5% dos votos, contra 81,5% de Geraldo Alckmin (PSDB).

“Esta situação com a esquerda se complicou bastante. Em função da religiosidade aqui, complica [o apoio] a essa ala”, admite o secretário de administração local, Loutar Prieb, que se locomove num carro com adesivos de crucifixo e peixe (antigo símbolo cristão). “Nosso primeiro prefeito era do PDT, mas teve origem na Arena [partido de suporte ao regime militar]”, acrescentou.

A demonstração de que o cenário continua igual a 2006 foi registrada em 2014, quando o então candidato Aécio Neves (PSDB) venceu Dilma Rousseff (PT) nas urnas de Arroio do Padre por 70,5% a 30,5%. “A ideia esquerdista não é muito bem-aceita pelos que são de origem [alemã]”, diz o pastor Agner.

Bebidas? Claro!

A chefe de gabinete do prefeito, Andiara Bonow, 27 anos, é um retrato fiel do pensamento dos evangélicos da cidade. Repudia a ideia de se converter ao Evangelho interessado em prosperidade material: “[A ideia de que] se tu entrar na igreja, vai ter carro, futuro promissor… Não é isso. Igreja é para ter paz de espírito”, comenta.

Andiara cresceu na cidade que tem, como densidade demográfica, um habitante por 21 Km², com ritmo tranquilo e habituada às tradições, e garante que levou um choque quando precisou se mudar para Pelotas para cursar a faculdade. “Lá não tem isso de acordar e ir a um culto. [O pessoal] prefere festa”, relembra.

Os moradores de Arroio do Padre, no entanto, zelam pelas tradições do país de seus antepassados. A própria Andiara conheceu o marido em um “bailão” regado a cerveja.

“Somos uma comunidade que consome muita cerveja”, admite o prefeito Leonir Baschi (DEM). Mas, o administrador da cidade destaca que “é muito difícil encontrar alguém bêbado, fazendo escândalo”, já que o consumo é uma tradição cultural e geralmente as pessoas estão habituadas com a bebida.

E o relato do prefeito é endossado pelo pastor Kuff: “Muitos acham que é pecado dançar, beber cerveja, vinho. Mas o pecado não está nas coisas, mas dentro de si”, resume.

CONGRESSO JOVENS NA CONTRA MÃO DO MUNDO 2017 IBB LAGARTO/SE.

DAVI SACER (2º PARTE) NA IGREJA CATEDRAL BATISTA.DIA 07/08/2016

Galeria de Fotos

Show com Os Gauchinhos de Deus Lançamento do Portal JI Sermão do Monte 2008Aniversário Igreja Batista Betel de Lagarto BATISMO   na    barragem dionísio de araújo machado  Lagarto Se. dia  17/03/2013 15 anos da Igreja Fonte de Água viva . 1  dia Aniversário da irmã Zeza, IAD CASAMENTO DE ANDERSON & REBEKAFestividade dos Jovens 2016  AD. Perus do Loiola. Lagarto/Se.J Neto na IAD Adoração e Vida em 08.08.2016

ENCONTRE-NOS NO FACEBOOK

Agenda de Eventos

 

Registrar-se
                           
Adicionar Evento

Todos os Eventos

Media RSS